Horário de Funcionamento: Atendimento presencial somente com agendamento

Notícias

25-05-21 | Notícias

Pesquisador de carreira meteórica, paraense Nilton Barreto dos Santos investigava como doença afetava sistema nervoso central; família autorizou autópsia e tecidos de órgãos foram coletados para que sua pesquisa prossiga.

A covid-19 pode ter interrompido abruptamente a vida do paraense Nilton Barreto dos Santos, morto aos 34 anos na noite do último dia 4 de maio, mas não seu propósito de vida: o jovem biomédico de carreira meteórica que, coincidentemente, investigava o impacto do novo coronavírus no sistema nervoso central teve parte dos tecidos do pulmão, do coração e do cérebro coletados após a morte para que a pesquisa desenvolvida por ele e seus colegas continue avançando.

A família de Santos, que autorizou a autópsia, quer ajudar a decifrar os mistérios de um vírus que já matou milhões em todo mundo e deixa sequelas ainda não totalmente entendidas pela ciência.

“Autorizamos a coleta do material tecidual dos pulmões, do coração e cérebro do Nilton para entender melhor essa doença. Por exemplo, por que ela está acometendo jovens sem comorbidades como ele, e evitar que outras famílias passem pelo sofrimento que estamos passando”, diz à BBC Brasil a engenheira Sâmia Maracaípe, viúva de Nilton.

Compartilhe nas Redes

newsletter

Faça parte do nosso mailing e receba novidades via email